O conteúdo desta página requer uma versão mais recente do Adobe Flash Player.

Obter Adobe Flash player

  Outros Números
 
 
  Nº 8 Agosto de 2004 / Ano 1  
 
  Editorial  
 

O "Plan-Lacan", como Miller chama as proposições que Lacan lançou para sua Escola, coloca a esperança da Escola não na pessoa, mas no funcionamento. A esperança é de conseguirmos fazer funcionar no seio da Escola o discurso analítico, um discurso que afasta a lógica do todo, a qual obtura o furo que nos apresenta o real.

O “Plan–Lacan” instituiu o cartel como uma via particular de trabalho que se espera de uma Escola. É por isso que o cartel não é um grupo qualquer que se forma em volta de um líder como o da psicologia das massas, mas um artefato concebido para circunscrever o real. Espera-se do cartel uma produção que seja fruto desta maneira especial de trabalho, o que significa uma produção que se sabe não toda, em constante elaboração. Uma produção que, apesar de resultado do trabalho de alguns, é de cada um e cada um com o seu próprio estilo, o qual deverá emergir do funcionamento do cartel.

Angela Negreiros

Texto na Íntegra

 

 


 
 
  Pontuações sobre o tratamento do corpo na psicanálise  
 

Marcia Zucchi

 
 
  Sobre o incurável do sinthoma  
 

Ângela Batista

 
 
  A experiência do real como Mais-Um  
 

Maria Âgela Maia